Reconhecimento nem sempre precede uma recompensa.

Por rvlopes. Publicado em Carreira

“Feitos especiais demandam – igualmente – mecanismos especiais de reconhecimento…”

--  Marcelino Tadeu de Assis – Gestão de Programas de Remuneração.

Um projeto, iniciativa ou atividade realizada que contribua para o negócio e agregue valor ao cliente (seja ele interno ou externo), merecem por parte da liderança reconhecimento1.  Nesse momento é importante entender de que forma a pessoa alvo desse reconhecimento percebe que o está recebendo.  Benjamin Franklin2 disse que “dentre todas as dívidas a mais sagrada é a do reconhecimento”, então reforçar esse momento é importante para qualquer gestor, senão a conta nunca sairá do vermelho.

Destaco aqui a relevância do reconhecimento, pois muitas vezes, as pessoas não entendem que reconhecer um feito não necessariamente envolve remuneração ou bônus.  Muitas vezes o reconhecimento trata-se da emissão de simples palavras de agradecimento em uma reunião de equipe, ou ainda do envio de um e-mail com simples mensagens como: "Obrigado pela sua contribuição no projeto!", "Parabéns pela iniciativa de consolidar as atividades!", "Excelente apresentação dos resultados de venda na reunião!".  E como é bom receber palavras como essas quando seu trabalho foi bem feito.

Quando esse trabalho vai além do escopo inicial, encantando o cliente, excedendo as expectativas dos envolvidos, então mais enfático deve ser o reconhecimento por parte da liderança.  Conversando com a equipe, que hoje lidero, pude identificar que para alguns esse reconhecimento precisa ser público, um e-mail de parabéns ou um cumprimento em sua mesa não basta.  Então estabelecer um espaço na pauta da reunião de equipe para reconhecimentos é uma iniciativa que dá certo.  E não apenas no nível técnico, no nível gerencial esses momentos passaram a ser significativos.

Fazer o que gosta

Por rvlopes. Publicado em Carreira

Já faz algum tempo que acompanho alguns blogs muito interessantes e hoje decidi publicar os links de alguns no meu blog, foi quando me deparei com um texto da Joseana Pereira, uma das autoras do site Salada Corporativa. Recomendo a leitura e o exercício de responder as questões levantadas.  Tomei porém a iniciativa de falar  um pouco mais do assunto.

Entre os muitos bate-papos, que tenho com amigas e primas, ultimamente a maioria deles gira em torno da escolha de carreira. Em especial uma das minhas primas me chama atenção.  Após finalizar o 2o grau, ela se vê diante do período de ingresso na universidade em que surge o dilema sobre o que cursar. Ela tem duas opções que lhe agradam História ou Psicologia, mas fica imaginando os atuais problemas de uma professora e na psicologia quando clinicará, pois o custo para montar um consultório é alto.

Como todo processo decisório, esse não é menos complexo, porém o mais importante nesse momento é abrir sua mente a analisar cuidadosamente todos os ângulos das opções de carreira.  Lancei várias perguntas a ela: Como ela se vê daqui a 5 anos?  Se ela conseguiria se imaginar em outra atividade? Que marca ela quer deixar? E por ai vai.

Quando li o texto citado acima, tudo me pareceu muito semelhante ao que falávamos. Não tem sido fácil para ela decidir e ainda buscar seu espaço no mercado de trabalho, com o diploma de professora recém-obtido.  Suas frustrações e desilusões diante dos resultados das entrevistas e propostas de emprego, desgastam seus dias, apagam seus sonhos e a decisão do que fazer se torna mais difícil.

No tweets found.
  • mamu